domingo, 3 de junho de 2007

Certezas são menos doloridas que as incertezas?

O “não” é dolorido quando mesmo que sem almejar elaboramos planos, entretanto mais doloroso é quando se vai e volta no iôiô da duvida constante, e acaba muitas vezes sendo indiferente ao seu sentimento e ao do próximo. O “sim” ás vezes acaba sendo uma medida provisória , muitas vezes fica prorrogando-se e acaba virando uma medida definitiva que nem sempre esta a altura da felicidade que se quer, baseando-se apenas em convenções.
O mundo dos sentimentos é como um novelo de lã totalmente emaranhado, ás vezes você só consegue desembaraçar cortando de algum lado uma pontinha pequenina, que nunca mais vai se unir da mesma maneira a outra parte. Até se pode dar um nó (mais na hora de tricotar vai estar lá o nozinho), ás vezes o nó é mais forte do que a ligação natural, mais a maioria das vezes ele se desfaz. O jeito é achar a pontinha do novelo e puxar devagar, até e tudo se desembaraçar tudo, isso pode demorar dias, anos, décadas.
A única certeza que temos é que tudo um dia vai mudar, temos que fazer escolhas, escolhas equilibradas entre a negação e a afirmação, e viver a mercê delas,
Por isso o fio deve ser puxado devagar, parte por parte, passando entranha por entranha, desenlaçando com toda calma, antes de se corta totalmente a ligação, sentindo quando doer muito, pare,descanse, se de um tempo para viver, mais não corte! Sinta-se. Depois volte ao seu trabalho de tomar decisões e desembaraçar novelos.

Escolha de vida requer um heroísmo, Estaremos à altura de um destino?

2 comentários:

Rique du Soleil disse...

Por isso eu descobrir que amar é pra gente corajosa! =*

Mah disse...

Clarinha arrasando.

:~~

deixa os meus testículos (haha) no chinelo.

"A hora do sim é o descuido do não", já diria o poetinha....